Universidade Federal assina acordo e reitoria é desocupada

34 0
A reitoria foi desocupada por volta das 14h
A reitoria foi desocupada por volta das 14h

Gazeta Digital

 
UFMT assina acordo para atender reivindicações e reitoria é desocupada após 13 dias
Chegou ao fim a ocupação estudantil ao prédio da reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Foram 13 dias com grupos de dezenas de estudantes dormindo, se alimentando e até jogando xadrez na sala da reitoria para passar o tempo e não entregar os pontos até a universidade ceder e resolver assinar acordo se comprometendo a atender pelo menos 90% das reivindicações apresentadas pelo movimento, fato que aconteceu nesta quarta-feira (20). Como medida imediata, considerada a primeira vitória está a garantia de que os contratos de alugueis que terminariam nesta sexta-feira (22) obrigando a saída dos moradores de 5 casas estudantis serão prorrogados até maio e com isso, os estudantes não serão retirados.

Pelo acordo assinado por integrantes pela pró-reitora de assistência estudantil, Myriam Serra, membros da comissão estudantil do movimento pró-assistência estudantil e integrantes dos centros acadêmicos presentes na negociação, ficou garantido que os estudantes podem ficar nas atuais Casas dos Estudantes (CEUs) até o dia 13 de maio deste ano, em agenda de mudança programada para os dias 14, 15 e 16 de maio. Também foi garantido que não haverá redução do número de vagas nas CEUs e que até o dia 15 de abril a Pró-reitoria de Assistência Estudantil (Prae) apresentará em um espaço amplo de debate com o movimento estudantil, uma proposta de acolhimento dos alunos que ingressarão na universidade no primeiro semestre deste ano e solicitarem o programa de acolhimento imedidato (PAI).

Outra garantia que consta no acordo é construção imediata de novas CEUs em todos os campi da UFMT, com estrutura física adequada que inclui área de lazer e vivência, sala de estudos, laboratórios de informática e acessibilidade. Os estudantes irão participar da elaboração do projeto. Para isso, será realizado estudo de demanda das vagas até dia 30 de abril. Foi garantido que irá iniciar o termo de referência para licitação das novas casas. Previsão de início da construção das novas CEUs é para o primeiro semestre de 2014 mediante aprovação do orçamento da UFMT e reparo e manutenção da casa do estudante no Campus de Cuiabá.

Abertura imediata da terceira ilha do Restaurante Universitário (RU) e manutenção das refeições no local a R$1 e com caráter público, bem como a inclusão de cardápio vegetariano e café da manhã à R$ 0,25 (com nova licitação para segundo semestre de 2013) foram outros itens atendidos da pauta de reivindicação.

“O movimento estudantil esta de parabéns! Pois soube fazer um movimento serio, organizado pautado pelo debate, respeito e pela luta dos nossos direitos. É assim que se consegue novas conquista, e é assim que se muda uma universidade! Parabéns a todos que participaram e contribuíram para este movimento histórico”, postaram os líderes estudantis envolvidos na negociação na página criada no Facebook para divulgar todo o acompanhamento do movimento deflagrada no dia 6 de março após um protesto que foi contido de forma violenta pela Polícia Militar.

“Hoje é um dia especial, histórico pra ser mais exata. Estamos desocupando a reitoria com 90% das nossas reivindicações atendidas. Alcançamos o que queríamos, resultado de muita luta, noites mal dormidas, muito esforço. Conheci pessoas incríveis e que estarão comigo pro resto da vida. Obrigada a todos que estão me desejando boas vibrações nessa data, mas principalmente, obrigada a cada um que nesses últimos dias me fizeram mais forte. Trocamos experiências, afeto, carinho, mesmo estando na trincheira! Esse é o melhor presente de aniversário, a conquista, a vitória e a certeza de que nenhum esforço foi em vão!”, postou a estudante Lóris Canheti.

Também foi acordado aumento do valor do auxílio moradia, hoje estimado 1,6 milhão para R$ 2 milhões sem reduzir o orçamento das demais políticas de assistência. A UFMT se comprometeu ainda em manter o valor mínimo da bolsa permanência para o equivalente das bolsas de pesquisa de graduação. Para isso serão apresentadas propostas de reajuste com base na inflação e serão promovidos debates sobre o assunto para apresentar as demandas de auxílio pedagógico. Foram estipuladas diversas datas para a execução dessas promessas.

Avaliação: Para o líder estudantil e conselheiro de moradia Ciaubi Kuhn, a vitória dos estudante só foi possível com a união em prol de um mesmo ideal. “A assistência estudantil vai bem além das casas de estudantes e envolve questões como o restaurante universitário, as bolsas de estudos e permanência entre entre outros itens que englobam praticamente toda universidade. Por isso tivemos uma grande adesão de alunos de diversos cursos, de professores e técnicos que no passado já usufruíram do benefício e hoje estão solidários à causa. É uma vitória de todos”, ressalta Caiubi enfatizando que a luta continua e agora todos os pontos acordados serão fiscalizados e cobrados. “Montamos várias comissões que vão acompanhar todos os prazos que constam no acordo. Caso houver descumprimento por parte da UFMT vamos realizar novos protestos e ocupar a reitoria quantas vezes for preciso”, afirma.

A reitoria foi desocupada por volta das 14h. Os estudantes fizeram questão de publicar fotos para, segundo eles, mostrar que o prédio da reitoria foi entregue limpo e organizado, com tudo inteiro.