UFC 146: Junior Cigano derruba Mir e segue como campeão

49 0

 

Nocaute no segundo assalto mantém cinturão com brasileiro diante de Frank Mir na MGM Grand Arena

Durante todo a semana que antecedeu à luta, Cigano teve que responder sobre o fato de sua força ser o boxe e na sua entrada no octógono ele quis mostrar orgulho disso. Entrou sob o ritmo da música tema do filme Rocky Balboa. E com socos poderosos, o brasileiro se manteve fiel à estratégia, derrubou Frank Mir na luta principal do UFC 146, na MGM Grand Arena, em Las Vegas, e segue como campeão dos pesos pesados. Seus pulsos o levaram à vitória. E no segundo assalto. Exatamente como ele previra.
Supreendentemente, Mir recebeu muitas vaias em sua apresentação. A torcida, como o brasileiro esperava, estava dividida, apesar do americano ser de Las Vegas. E Cigano transformou Las Vegas em um pedaço de Brasil. Após a vitória, empunhou a bandeira verde e amarela e pediu para falar em português.
– É nosso galera! Quero agradecer a todos que vieram aqui para me ver, agradecer aos brasileiros e à Bahia – disse Cigano, que ainda no octógono recebeu o garoto Breno Ferreira, de nove anos, que treina na academia de seu treinador, Luiz Dórea, e viajou aos Estados Unidos à convite do UFC especialmente para realizar o sonho de ver uma luta do ídolo ao vivo.
Cigano sempre deixou claro que confiaria na sua estratégia de priorizar a trocação e apostar nos seus poderosos golpes. E com uma arma dessas, de fato parece que não precisa mais nada. Ele manteve a tranquilidade para não permitir que Frank Mir encurtasse muito a distância e tentasse levar a luta para o chão, especialidade do americano. No fim do primeiro assalto, o brasileiro conseguiu sua primeira boa sequência e Mir balançou. Cigano então foi para cima, mas o adversário foi literalmente salvo pelo gongo.
Na volta, Cigano aproveitou o momento favorável e seguiu em cima. Um direto de direita atingiu em cheio o rosto de Mir, que caiu. Ele ainda tentou desesperadamente agarrar o brasileiro pelos pés, mas Cigano se desvencilhou e voltou ao ataque. Não havia mais opção ao juiz a não ser interromper o combate e decretar a vitória.
– Frank Mir é um grande adversário é um cara muito forte. Aguentou bem meus golpes, estou com a mão até doendo – completou o brasileiro.
PEZÃO É MASSACRADO
O outro brasileiro do card principal, Antônio Pezão Silva estava confiante, mas as esperanças de conseguir qualquer coisa contra o ex-campeão Cain Velásquez caíram por terra logo após o primeiro contato do combate. Ele até consegui desequilibrar o adversário, mas caiu por baixo de Velásquez e então começou o castigo. Uma sequência cruel de golpes logo abriu um profundo corte na cabeça do brasileiro, que começou a sangrar muito. A luta chegou a ser interrompida para que o sangramento pudesse ser ao menos controlado.
Na volta, Cain seguiu por cima e castigando. Pezão já não podia ver nada, com a visão coberta pelo sangue, e não conseguia se defender dos ataques. Nocaute a 3:37 do combate. O nono em dez vitórias de Cain e o sétimo no primeiro assalto. A torcida, em apoio em massa ao mexicano naturalizado americano, aplaudiu de pé o desempenho que uniu eficiência e ferocidade numa combinação mortal.
O card principal em Las Vegas começou quente. Lavar Johnson partiu para cima na trocação, mas mal pode ver o que aconteceu. O holandês Stefan Struve conseguiu levar o combate para o chão e finalizou o americano com uma chave de braço com apenas 1:05. Struve é um especialista. Agora são 23 vitórias em sua carreira, sendo que 16 delas foram conseguidas através de finalizações.
Em seguida, um duelo de invictos. Shane del Rosario (11 vitórias) fazia sua estreia no UFC e recebeu um cartão de visitas e tanto de Stipe Miocic. Depois de começar em desvantagem na trocação, o croata levou o combate para o chão e, então, dominou o rival. Montado sobre del Rosario, aplicou uma sequência de cotoveladas que determinou o nocaute. Miocic agora tem nove vitórias e nenhuma derrota em sua carreira, sendo sete por nocaute.
Como é comum entre os pesos pesados, as lutas não estavam durando muito em Las Vegas e o americano Roy Nelson garantiu que a rotina continuasse diante de Dave Herman. Ele deu continuidade à incrível sequência de nocautes em sua carreira: suas últimas sete vitórias foram derrubando o rival com um golpe definitivo. Desta vez, mesmo mais baixo e com menor envergadura, ele encontrou espaço para vazar a guarda de Herman com um cruzado perfeito, no queixo, que levou o adversário à lona em apenas 51 segundos de luta. Na comemoração, subiu na grade do octógono e agradeceu à torcida, que o apoiou incondicionalmente.