banner

Sinop: Ação de execução contra prefeito se transforma em “mote” de campanha

159 0
Pref. Sinop, Juarez Costa

 

Sinop: Ação de execução contra prefeito se transforma em “mote” de campanha
Uma ação de execução proposta pelo empresário Wanderlei Fachetti Torres, proprietário da Trimec Construções e Terraplanagem, contra o prefeito de Sinop, Juarez Costa(PMDB), já é mote de campanha nos bastidores da sessão daquele município. A execução causou espécie pela monta cobrada, R$ 3,8 milhões. A espécie é causada pelo fato de o empresário não ter declarado isso e muito menos o prefeito.

Uma decisão da 21ª Vara Civil da Capital, do dia 18 de abril deste ano, determinou que o prefeito de Sinop pagasse o valor de R$ 3,8 milhões ao empresário, que seriam de um empréstimo contraído em setembro de 2007.

Conforme a decisão, o prefeito teria três dias para pagar a dívida ou teria os bens penhorados, porém, como estava em viagem para Espanha e não foi citado pelo oficial de justiça, a determinação não foi cumprida.

O empresário conseguiu comprovar a dívida de Juarez através de uma nota promissória assinada pelo próprio prefeito no valor de R$ 2,4 milhões. Com a correção dos valores, o peemedebista passou a dever R$ 3,8 milhões.

Na Câmara Municipal, os vereadores já trabalham com a hipótese de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o empréstimo contraído pelo prefeito no período eleitoral e que não foi declarado.

Outro lado

O advogado Alexandre Gonçalves Pereira, que defende o prefeito Juarez Costa, disse que até o momento o que existe não é uma decisão judicial, mas uma citação de execução de uma dívida.

“O Juarez ainda vai ser citado para apresentar defesa da execução da dívida, pois ele estava em viagem e chegou apenas no domingo. Não existe condenação nenhuma”, falou.

Conforme Pereira, a nota promissória executada pelo empresário não é referente a empréstimo pessoal, como chegou a ser ventilado em alguns órgãos de imprensa, mas sim de uma compra e venda de terra feita em 2007, quando Juarez era deputado estadual.

“Juarez fez o contrato para aquisição de uma área no município de Cáceres, com interesse de fazer um Plano de Manejo Florestal na área do exequente. Porém a outra parte não assinou a procuração para fazer o projeto. Em 2008, quando venceu o contrato, ambos fizeram um aditivo contratual que então gerou esta nota promissória”, informa Alexandre Pereira.

O advogado argumenta ainda que, além de o empresário não fornecer a procuração, uma vistoria feita por um engenheiro florestal não visualizou viabilidade econômica para exploração de madeira na referida área.

“Juarez tentou desfazer o contrato, mas o empresário entendeu que ele deveria pagar a multa contratual de 10%, o que daria R$ 240 mil. Mas Juarez não aceitou, pois quem deu causa para desfazer o contrato foi a ausência da viabilidade econômica do projeto de manejo e o próprio empresário, que não assinou procuração”, comentou Pereira.

O advogado alega que o prefeito está sendo duplamente vítima de má-fé. “Primeiro por parte do empresário, que está cobrando uma dívida inexistente, e depois por parte dos adversários políticos, que maldosamente noticiaram se tratar de dívida de um empréstimo pessoal que nunca existiu”, finalizou.

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Holler Box
Holler Box