banner

“Papai Noel dos Livros” diz que Feira Literária de Campo Verde é exemplo para Mato Grosso

134 0

 

 

Idealizador e mantenedor do Projeto Inclusão Literária, Clóvis Matos, conhecido também como o “Papai Noel dos Livros”, está participando da 2ª Feira Literária de Campo Verde, realizada pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura.

Entusiasta da leitura, Matos percorre o estado distribuindo livros em comunidades carentes, quilombos, vilas, feiras livres e shoppings. Para ele, a Feira Literária de Campo Verde é exemplo para Mato Grosso e deveria ser realizada também por outros municípios como forma de democratizar e incentivar o acesso à leitura.

“É fantástico, é uma coisa que deveria acontecer em todos os municípios de Mato Grosso e de outros estados também. É desse tipo que o pessoal fica conhecendo os livros. Se as grandes editoras não vêm, se as grandes livrarias não vêm, a gente vem. Tem gente aqui com um monte de livros que essa meninada nunca teria possibilidade de acessar se não por um exemplo como esse”, disse Matos.

Realizando o Projeto Inclusão Literária por conta própria e contanto com apoio da iniciativa privada – em 2017 ele foi contemplado pelo Programa Caldeirão do Huck, exibido pela Rede Globo, com uma caminhonete Hilux zero quilômetro, um trailer para o transporte dos livros e com vários livros – Matos destaca que o Poder Público tem papel fundamental no incentivo à leitura e no acesso ao conhecimento por meio dos livros. “Todas as prefeituras do Estado de Mato Grosso deveriam promover eventos como esse daqui, deveria ser um exemplo para que as pessoas conheçam livro”, disse.

Matos também destacou que os livros são fundamentais na formação da personalidade do caráter. “Leitura é fundamental para qualquer estudante, para qualquer pessoa, para adultos também. Quem diz que não gosta de ler é porque nunca pegou um livro, nunca ‘entrou em um livro para poder viajar, para poder passear pela leitura. Leitura vicia”, disse.

Outro ponto destacado por Matos é o conhecimento adquirido através dos livros. “Para a garotada que vai fazer vestibular, por exemplo, todo mundo que tem mais leitura, que lê mais livros, lê mais jornais, mais revistas, tem mais facilidade na redação e nas provas de português”, observou.