MT poderá ter novos corredores de exportação/importação

155 0

 

 

Mato Grosso pode ganhar dois novos corredores de importação e exportação mediante parceria com o governo da Bolívia para pavimentação de duas rodovias que ligariam o Estado a Santa Cruz de La Sierra, possibilitando o acesso aos portos do Pacífico e à produção boliviana de uréia, sal e gás liquefeito.
O assunto foi discutido na sexta-feira passada (08.06) durante visita do senador Wellington Fagundes a Cáceres. Segundo o prefeito Francis Maris, no encontro realizado entre municípios da fronteira Brasil/Bolívia, na semana passada, o assunto avançou no sentido da importação de uréia e sal. Hoje, o país vizinho produz cerca de 500 mil toneladas de uréia e Mato Grosso consome 1 milhão de toneladas. “Somente o nosso estado teria condições de comprar toda a produção”, diz o prefeito.
Já em relação ao sal, o prefeito lembra que a matéria-prima é utilizada na alimentação do rebanho bovino criado em confinamento. “O sal hoje consumido em Mato Grosso vem de Mossoró (Rio Grande do Norte), distante 4 mil km. No caso da Bolívia, o produto está a 1 mil km de distância, o que significa que poderia chegar a um custo menor”, avalia o prefeito.
A Bolívia ainda é grande produtora de gás de cozinha, que poderia ser engarrafado em Mato Grosso.
Francis Maris sugeriu ao senador a federalização e pavimentação de trecho da BR-174 entre Vila Bela da Santíssima Trindade, a fronteira e San Ignácio de Velazques (num total de 200 km), dando acesso a Bolívia, viabilizando a importação desses produtos.
Outra alternativa seria uma parceria com o governo da Bolívia para pavimentação da rodovia entre San Matias a San Ignácio de Velazques. Segundo o senador, a Bolívia já conta com financiamento internacional para pavimentar essa trecho. Segundo o prefeito, o governo Evo Morales não demostrava interesse na pavimentação desse trecho, mas a possibilidade de exportação de uréia, sal e gás para Mato Grosso fez o presidente mudar de ideia.
Segundo o senador, esses corredores também poderão viabilizar a exportação de produtos de Mato Grosso em direção aos portos do Pacífico, encurtando as distâncias em relação aos mercados asiáticos, aumentando a competitividade.
O assunto deve ser discutido no Ministério dos Transportes.