Maggi afirma que nova ação de Raquel Dodge afronta decisão do Supremo

66 0

Do: Olhar Direto

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

 

 

O ministro da Agricultura Blairo Magi, denunciado por corrupção ativa pela Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmou ter recebido a noticia com estranheza pelo fato já ter sido objeto de investigação no ano de 2014 e arquivado à pedido do ministro Dias Tóffoli.

De acordo com Maggi, o mesmo caso será investigado sem argumentos novos ou provas, além de desconsiderar completamente uma determinação de arquivamento do Supremo Tribunal Federal (STF).

O senador licenciado também classifica a denúncia como uma violência contra a competência do ministro Dias Tóffili e o desprestígio a autoridade de uma decisão já proferida pela 2ª Turma do STF.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a denúncia contra o ministro por participação em esquema de venda de vagas no Tribunal de Contas do Mato Grosso (TCE-MT) em 2009, quando ele era governador do Estado.

As investigações, segundo a denúncia apontam que Blairo Maggi supostamente participou de uma compra de vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE), envolvendo o então conselheiro  Alencar Soares Filho e o ex-deputado Sérgio Ricardo, que também figura como réu.

NOTA À IMPRENSA

O ministro Blairo Maggi deixa claro que causa profunda estranheza e indignação a denúncia oferecida pela Procuradoria Geral da República, uma vez que o mesmo fato já foi objeto de investigação em 2014 e arquivado a pedido da própria PGR.

Na época, o inquérito n 3842, da relatoria do ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, foi arquivado pela 2a turma do STF por falta de provas.

Desta vez, este mesmo caso é objeto de novo inquérito que tem o ministro Luiz Fux como relator, porém sem novos argumentos ou provas. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, desconsiderando completamente a decisão de arquivamento do STF ofereceu nova denúncia.

O ministro ressalta ainda que essa postura da Procuradoria Geral da República é uma violência contra a competência do ministro Dias Toffoli e desprestígio absoluto à autoridade de decisão já proferida pela 2a Turma do Supremo Tribunal Federal.

Assessoria de imprensa
Ministro Blairo Maggi