Justiça eleitoral inicia hoje ciclo de palestras para conscientizar jovens eleitores

64 0

 
A Justiça Eleitoral inicia hoje um ciclo de palestras que tem como objetivo conscientizar os jovens eleitores sobre a importância e as implicações do voto. Lançada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no início do mês de março último, o programa “Voto Consciente” pretende despertar a consciência cívica e estimular a participação política de jovens que votarão pela primeira vez nas eleições deste ano.

Segundo a juíza Eulice Jaqueline Cherulli, da 10ª. Zona Eleitoral e diretora do Fórum Eleitoral de Rondonópolis, a iniciativa pretende atingir todos os jovens que completem 16 anos até o dia 7 de outubro, data da eleição municipal deste, matriculados em escolas públicas e privadas no município. “O que queremos é despertar nesses jovens a consciência sobre a importância da democracia, do voto consciente, em que implica a sua escolha, quantos anos fica no poder o político que se elege, que o voto não é moeda de troca e não deve ser vendido”, explicou a magistrada.

As palestras tem início hoje, a partir das 10 horas, no plenário da Câmara Municipal, e os convidados serão os alunos da Escola Estadual Joaquim Nunes Rocha. A programação se estende até o dia 16 de julho.

O programa atua também nas redes sociais e tem inclusive uma página no Facebook, para que os jovens interessados acessem e tenham mais informações a respeito do assunto. É só acessar a página “Voto Consciente”. 

Eleições – A juíza Jaqueline Cherulli, que é encarregada de analisar o registro de candidaturas e toda a parte processual pertinente a elas, diz que a justiça Eleitoral estará vigilante e espera que tantos os eleitores quanto os candidatos evitem os abusos, típicos em períodos eleitorais. “O que gostaríamos é que os candidatos agissem como cidadãos e eleitores que são. Alguns se esquecem que tem o dia seguinte, que tudo tem um desenrolar posterior. Para nós, o ideal é que os candidatos e eleitores agissem de forma consciente e evitassem cometer abusos e crimes eleitorais”, defendeu.