Jon Jones bate Rashad Evans e agora terá algoz de Shogun e Wand pela frente no UFC

58 0
Rashad Evans foi castigado por Jon Jones

Americano domina todos os rounds e garante triunfo na decisão dos juízes

Quem pode parar Jon Jones? A pergunta ecoou na cabeça de fãs e analistas na noite deste sábado (21) – madrugada de domingo (22) no Brasil – após mais uma vitória do campeão dos Meio Pesados (até 93 kg) no UFC. Absoluto, o americano não teve dificuldades de derrotar o ex-campeão e compatriota Rashad Evans, por decisão unânime dos juízes, no UFC 145, realizado em Atlanta (EUA).
Favorito antes da luta, Jones mostrou as suas já conhecidas (e letais) armas ao longo dos cinco rounds. Do outro lado, o “azarão” Evans tratou de entrar com gás total e foi logo assustando o campeão com um chute alto, o qual é bem verdade não fez estragos. A partir do segundo round, Jones tratou de variar seus golpes, uma característica muito peculiar sua.
A variedade de chutes e socos, acompanhados muitas vezes dos perigosos cotovelos do campeão, começaram a fazer estragos em Evans, que foi perdendo o gás com o passar dos minutos. O desafiante escapou do nocaute no segundo round, e tentou levar a luta para o solo a partir do quarto assalto, mas sem sucesso. Tranquilo, Jones foi somando pontos, mostrando superioridade e aguardando o final da luta.
Por decisão unânime, Jon Jones venceu Rashad Evans, mas fez questão de pôr fim à rivalidade e troca de farpas com o seu ex-companheiro de treino.
– Com certeza foi a vitória que mais me deu satisfação. Senti que os meus socos estavam mais básicos e eu continuei errando. Não senti bem (lutando) em pé, mas quem eu venci foi muito importante para mim.
Após a luta, o presidente do UFC, Dana White, adiantou que o próximo a tentar acabar com o reinado de Jones na categoria será o veterano americano Dan Henderson, algoz de alguns brasileiros como Wanderlei Silva e Maurício Shogun.
Se na principal luta da noite não houve nocaute, o mesmo não pode se dizer dos demais combates da noite, recheados de emoção e, é claro, alguém mandado para a lona.
O destaque neste quesito foi Rory MacDonald. Na segunda luta mais importante do evento, ele não tomou conhecimento de Che Mills. Durante os dois rounds do combate, MacDonald foi mais consistente e castigou o rival de forma impiedosa. Após uma série de socos, o árbitro Mário Yamasaki interrompeu a luta, declarando nocaute técnico.
Outro nocaute da noite teve ainda mais emoção. Em desvantagem na luta da categoria dos Pesados contra Brendan Schaub, Bem Rothwell reagiu ainda no primeiro assalto, após ter ficado grogue diante de uma verdadeira patada do adversário. Quando a vitória de Schaub parecia questão de tempo, Rothwell acertou um forte cruzado, decretando a sua vitória.
Quem também não deixou a vitória na mão dos árbitros foi Michael McDonald, que nocauteou o experiente Miguel Torres, ex-campeão do WEC, logo no primeiro round, após uma série de potentes socos.
Confira os resultados completos do UFC 145:
Card principal:
– Jon Jones derrotou Rashad Evans por decisão unânime dos juízes;
– Rory MacDonald derrotou Che Mills por nocaute técnico no segundo round;
– Ben Rothwell derrotou Brendan Schaub por nocaute técnico no primeiro round;
– Michael McDonald nocauteou Miguel Angel Torres no primeiro round;
– Eddie Yagin derrotou Mark Hominick por decisão unânime dos juízes;
– Mark Bocek derrotou John Alessio por decisão unânime dos juízes;
Card preliminar:
– Travis Browne derrotou Chad Griggs por finalização (katagatame) no primeiro round;
– Matt Brown derrotou Stephen Thompson por decisão unânime dos juízes;
– Anthony Njokuani derrotou John Makdessi por decisão unânime dos juízes;
– Mac Danzig derrotou Efrain Escudero por decisão unânime dos juízes;
– Chris Clements derrotou Keith Wisniewski por decisão dividida dos juízes;
– Marcus Brimage derrotou Maximo Blanco por decisão dividida dos juízes;