F Indy: Dixon ignora corrida tumultuada e conquista primeira vitória de 2012 nas ruas de Detroit

55 0

 

Scott Dixon venceu praticamente de ponta a ponta a corrida da Indy em Detroit deste domingo (3). A corrida foi marcada por uma interrupção de quase duas horas por causa de problemas no asfalto da pista.
Scott Dixon não tomou conhecimento de todos os contratempos que marcaram a corrida em Detroit neste domingo (3). O neozelandês da Ganassi se manteve longe das confusões e venceu quase que de ponta a ponta em Belle Isle. Foi a primeira vitória de Dixon em 2012.
A segunda colocação ficou com Dario Franchitti, que protagonizou uma empolgante prova de recuperação. Simon Pagenaud cruzou mesmo em terceiro, logo à frente de Will Power. Oriol Servià completou o top-10. O melhor brasileiro foi Tony Kanaan, com o sexto posto. Helio Castroneves foi o 17°. Rubens Barrichello não completou a prova.

Saiba como foi a corrida da Indy nas ruas de Detroit neste domingo
Antes mesmo da bandeira verde nas ruas de Detroit neste domingo (3), o grid sofreu uma pequena modificação. Alex Tagliani, que era o terceiro, nem alinhou e ficou parado nos boxes. Na pista, a largada se deu sem maiores problemas ou acidentes e viu um Scott Dixon muito forte, pulando na frente de Will Power, que manteve em segundo. Simon Pagenaud também permaneceu sem ameaças em terceiro.
Um pouco mais atrás, Ryan Hunter-Reay tentava a quarta posição para cima de Justin Wilson. O trabalho do norte-americano durou pouco, já que o inglês da Dale Coyne foi para os pits, depois de um toque no muro e não pôde retornar à prova. Hunter-Reay, apesar do início forte, acabou na sequência perdendo o quarto posto para um rápido Ernesto Viso.
Lá na frente, Dixon já abria 1s3 para o australiano da Penske. Atrás dos dois, a ordem era: Viso, Hunter-Reay, Ryan Briscoe, Helio Castroneves, Sébastien Bourdais, Takuam Sato e Dario Franchitti. Tony Kanaan surgiu em 16°, enquanto Rubens Barrichello vinha em 21°, depois de largar em 24°.
Enquanto o neozelandês da Ganassi tratava de se distanciar de Power na ponta da corrida, Viso, o quarto, segurava um trenzinho, formado por Hunter-Reay, Briscoe, Castroneves, Bourdais, Sato e Franchitti. O venezuelano, embora sem o ritmo forte do piloto da Andretti, lutava para se manter à frente. E nem mesmo uma derrapada de traseira tirou Ernesto do comando do pelotão.  Alheio a tudo isso, Pagenaud seguia solitário em terceiro.
Assim, sem conseguir superar Viso, Hunter-Reay passou a ter o xará Briscoe como grande adversário. A briga entre os dois facilitou a vida do piloto da KV, que conseguiu abrir. Muito atrás e ainda sem se acertar com o carro da KV em Belle Isle, Barrichello teve de ir aos boxes na décima volta, com aparente problema na parte traseira do carro. Na ponta oposta da tabela, Dixon já tinha 1s6 para Power.

Kanaan, em estratégia diferente, deixou a 15ª posição para ir aos boxes pouco antes da prova alcançar a 15ª volta. O brasileiro voltou apenas em 21°. Quase que ao mesmo tempo, James Jakes se viu parado depois de uma rodada, mas sem consequências. Longe dos três ponteiros, Viso liderava um pelotão disputadíssimo, que tinha ainda Hunter-Reay, Briscoe, Castroneves e Bourdais. Na volta 19, a primeira mudança nessa minicorrida. Helio superou o companheiro de equipe, trazendo junto Bourdais, e empurrando Briscoe para oitavo. O australiano ainda perderia mais uma posição para Sato.
Mesmo com um ritmo fraco, Viso conseguia se manter à frente, apesar das investidas do piloto da Andretti que, por sua vez, tinha Castroneves nos retrovisores.  Nos boxes, Barrichello já desistia da prova. Mas na pista a boa briga liderada por Ernesto era o centro das atenções. Hunter-Reay seguia na perseguição ao venezuelano, com Castroneves e Briscoe na cola. O australiano da Penske, que havia perdido posições, surgia em grande recuperação, depois de superar Bourdais e Sato. Franchitti, que era o último da fila, se aproveitou das disputas na frente bater Sato e Sebastien.
Apesar do bom momento, o escocês foi o primeiro a visitar os boxes na volta 26. O atual campeão ainda tinha uma asa quebrada, por conta de um toque com Bourdais. A procissão atrás de Viso teve fim quando o piloto da KV decidiu também ir aos boxes. O venezuelano voltou apenas em 18°, enquanto Dario já era 14°. Pagenaud, neste meio tempo, também aproveitou para trocar os pneus e reabastecer. Lá na frente, Dixon e Power ainda comandavam as ações. A ordem atrás dos dois era: Hunter-Reay, Castroneves e Briscoe.
Na volta 31, Hunter-Reay e Briscoe foram aos boxes também. Helio foi aos pits na volta seguinte.  A volta 33 marcou o pit-stop dos dois líderes, que retornaram nas mesmas posições. Atrás de ambos, a ordem era: Kanaan, Pagenaud, Marco Andretti, Alex Tagliani, Sato, Franchitti, Castroneves e Hunter-Reay.
Depois das paradas, Dixon retomou o ritmo forte e abriu uma confortável vantagem de 10s para Power, que tinha pouco mais de meio segundo para Kanaan. Pagenaud vinha cerca de um segundo atrás, na quarta colocação. Tony, então, teve de ir aos boxes na volta 37, abandonando a disputa com o líder do campeonato. Três giros depois a corrida viu a primeira paralisação. Tudo por culpa de acidentes separados, mas simultâneos. James Hinchcliffe acabou nos pneus de proteção da curva 6, por conta de um dano no asfalto da pista de Belle Isle. O outro incidente envolveu Takuma Sato.
A paralisação serviu para movimentar novamente os pits. Depois das paradas, a ordem do top-10 atrás do safety-car ficou sendo: Dixon, Power, Pagenaud, Kanaan, Castroneves, Franchitti, Hunter-Reay, Graham Rahal, Briscoe e Oriol Serviá.

Só que a bandeira amarela acabou se tornando vermelha. Isso porque os remendos feitos na pista de Detroit, para atenuar as ondulações, começaram a se soltar, expondo buracos em diversas partes do circuito. A direção da Indy, então, optou pela interrupção, na volta 45. A opção foi tentar promover reparos nos pontos mais críticos, para viabilizar a continuidade da corrida.
O esforço valeu a pena. A relargada aconteceu às 19h58 de Brasília, quase duas horas depois da interrupção. Graham Rahal, que estava em oitavo, enfrentou problemas mecânicos nos pits e não conseguiu seguir a fila indiana atrás do safety-car. Além disso, uma chuva fina também já atingia a pista de Detroit.
Ainda assim, a bandeira verde foi agitada, e Dixon abriu na frente e sem maiores problemas a volta 46 da tumultuada corrida em Belle Isle. Enquanto Scott manteve a ponta, Power perdeu a segunda posição para Pagenaud. Mais atrás, algumas confusões por conta da pista úmida. Ryan Briscoe foi um que rodou. Helio Castroneves também enfrentou problemas. As rodadas, evidentemente, provocaram nova bandeira amarela.
E a ordem do top-10 atrás de Dixon ficou sendo: Pagenaud, Power, Franchitti, Servià, Kanaan, Hunter-Reay, Charlie Kimball, Viso e Mike Conway. O reinício foi rápido e aconteceu na volta 51. O novo começo viu um Franchitti muito agressivo, tomando as posições de Pagenaud e Power, quase de uma vez só. Mas as ações duraram pouco, já que Andretti acertou Viso, deixando o venezuelano parado na pista. O encontro de Marco com Ernesto causou mais uma amarela.
A nova paralisação foi novamente rápida. E Dixon pôde puxar o pelotão já na volta 54. O piloto do carro 9 não teve problemas e seguiu firme na frente até a vitória, apesar da presença incômoda do companheiro de equipe, Franchitti, que terminou em segundo. Pagenaud, na sua batida mesmo, ainda terminou em terceiro. Tony Kanaan foi sexto, enquanto Helio Castroneves, 17°. Rubens Barrichello não completou a prova.