Examinador do Detran era líder de grupo que vendia CNHs há pelo menos 10 anos em MT

218 0

Do: Olhar Direto

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

O delegado Sylvio do Valle, da Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), divulgou que o “cabeça” do grupo criminoso que vendia Carteiras Nacionais de Habilitação a candidatos, sem a necessidade da realização de provas, é o examinador do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/MT), Sílvio Bueno. No entanto, a polícia ainda investiga se haveria alguém acima dele no esquema.

A Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz) deflagrou nesta quarta-feira (05) mais uma operação em Mato Grosso. O objetivo é o cumprimento de 60 mandados de prisão e busca e apreensão em várias cidades do Estado, com o objetivo de apurar um esquema de venda de Carteiras Nacionais de Habilitação (CNHs), que era operado de dentro do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/MT).

“A delegacia fazendária recebeu umas informações no ano passado através de uma coordenadoria de fiscalização do Detran, informando alguns processos onde foram apuradas condutas suspeitas de crime.

A partir deste momento a delegacia instaurou inquérito e complementando o inquérito foram somadas denúncias anônimas, monitoramentos e nós chegamos a um grupo que se instalou dentro do Detran, e este grupo buscava a facilidade na obtenção da CNH por diversos candidatos”, disse o delegado Sylvio do Valle.

A quadrilha já estaria em atividade há pelo menos 10 anos. O líder do grupo, que foi preso na operação de hoje, é Silvio Bueno, um examinador do Detran/MT.

“Nós temos que [o cabeça] é um examinador do Detran. É ele quem coordena todo este esquema, ele quem faz as escalas de viagem, é a partir deste momento que são marcadas as provas práticas, onde é consumado o crime”, explicou o delegado.

A quadrilha chegava a cobrar até R$ 4 mil reais pela CNH. A Polícia Civil ainda não apurou a quantidade total de pessoas que podem ter adquirido as CNHs com este grupo e ainda investiga se existem outras pessoas envolvidas no esquema.

“A informação que nós temos é que os próprios instrutores ou donos de auto escola ofertavam esta facilidade para os candidatos, informando que eles teriam duas formas de retirar a habilitação, da forma normal, mais dispendiosa, que necessita fazer todas as aulas, exame teórico, depois fazer as aulas práticas e o exame prático, ou uma forma mais simplificada, que seria este pacote mais completo, que não precisaria fazer nenhuma aula teórica nem a prova, e também nenhuma aula prática ou a prova prática, e neste esquema a gente conseguiu apurar que conseguiam obter até R$ 4 mil”.

Já foram apreendidos quatro veículos, entre eles caminhonetes de luxo. Diligências foram realizadas também nas residências de examinadores aposentadas, e também estão sendo feitas no interior do Estado.

Operações semelhantes

Operações semelhantes foram realizadas ano de 2013 e 2014. A operação “Fraus” da Regional de Barra do Garças (2013) indiciou 125 pessoas no esquema de fraudes na obtenção e emissão de CNH. A operação Narted (2014) da Delegacia Fazendária indiciou 17 suspeitos envolvidos (servidores, ex-servidor, beneficiários, dono e ex-funcionários de autoescolas) no esquema de venda de CNH.

“Ainda assim as práticas ilícitas continuaram ocorrendo de forma persistente”, analisa a delegada titular da Defaz, Maria Alice Barros Martins Amorim.

Holler Box
Holler Box