Defaz prende servidores da Sefaz e beneficiários de desvio

78 0

Olhar Direto

A Polícia Civil confirmou a prisão de 14 das 38 pessoas, entre servidores da Secretaria de Fazenda (Sefaz) e “laranjas”, alvos de mandados de prisão expedidos pela Justiça para a operação “Vespeiro”, responsável por desarticular a quadrilha que roubou mais de R$ 12,9 milhões dos cofres públicos do Estado por meio de fraudes ao sistema BB PAG.

Os presos estão sendo encaminhados para interrogatório na sede da Polinter. Dentre as prisões está a da secretária adjunta do Tesouro Estadual, Avaneth Almeida, uma das principais articuladoras do esquema; ela era uma das pessoas que assinavam as liberações fraudadas de crédito da Conta Única do Estado que beneficiaram parentes e pessoas ligadas a servidores fazendários.

A Delegacia Fazendária (Defaz) não confirmou até o momento a prisão da coordenadora de controle da Conta Única do Estado, Magda Mara Curvo Diniz, também importante da engrenagem do esquema junto aos servidores terceirizados Glaucyo Fabian Oliveira Nascimento Ota e Edson Rodrigo Ferreira Gomes.

Todos os servidores envolvidos no escândalo foram afastados das funções assim que a investigação tornou-se pública. Mais detalhes da operação deverão ser revelados logo mais às 15h em entrevista coletiva a ser concedida pela Defaz à imprensa, segundo informou a assessoria da Polícia.

A operação “Vespeiro”, conduzida pelo delegado fazendário Rogério Modelli, foi deflagrada por 146 policiais civis logo cedo na manhã desta quinta-feira com o objetivo de cumprir mandados judiciais de prisão temporária (cinco dias prorrogáveis por outros cinco) e de busca e apreensão contra 38 pessoas investigadas pelo rombo na Conta Única do Estado. Os mandados foram expedidos pelo juiz José de Arimateia, da Vara Especializada de Crime Organizado, Ordem Tributária e Econômica e Administração Pública da Comarca de Cuiabá.

Ao todo, a Defaz investiga 50 pessoas, mas apenas essas 38 foram alvos de mandados judiciais, entre servidores da Sefaz e beneficiários do esquema de fraudes pelo sistema online BB PAG (canalizador dos pagamentos que não passam pelo sistema Fiplan). Dos 38 mandados, apenas um foi determinado para cumprimento fora de Cuiabá, na região de Cáceres (o qual já foi cumprido, segundo o delegado Rogério Modelli).

O rombo investigado pela Defaz teve início em 2007 e teria seguido até 2011. Pelo menos 32 pessoas teriam sido beneficiadas pelo esquema.

As liberações de crédito a contas bancárias de 32 pessoas físicas tinham como justificativa o pagamento de serviços prestados para a realização de concursos públicos tocados pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat). A prestação dos serviços não foi confirmada; a Auditoria-Geral do Estado (AGE) apontou que não há o devido registro que justifique os pagamentos no sistema da própria Sefaz.

A assessoria de imprensa da Sefaz informou que o secretário Edmilson José dos Santos, por enquanto, não deve se declarar a respeito da operação Vespeiro mesmo se tratando de prisões de servidores da sua pasta. Ele se encontra em uma reunião extraordinária do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) em Brasília.