Clássicos: Chevrolet Opala, 50 anos do orgulho nacional

72 0

Por: Abril Comunicações

© Fornecido por Abril Comunicações S.A. O cupê hardtop foi a maior novidade do modelo 1972

Baseado no alemão Opel Rekord, o Opala foi o primeiro Chevrolet brasileiro. Com motores de quatro e seis cilindros e duas versões de acabamento, ele conquistou a vice-liderança do mercado meses após sua apresentação, em 19 de novembro de 1968, há exatamente 50 anos.
Resistiu bem ao avanço da concorrência, até que a GM preparou a grande ofensiva na linha 1971: a versão Gran Luxo.
O mais requintado dos Opalas era uma resposta a modelos maiores e mais caros, leia-se Ford Galaxie e Dodge Dart. A ausência de itens como direção hidráulica, ar-condicionado e câmbio automático era suavizada pela nova grade com faróis emoldurados e por um padrão de acabamento externo e interno superior ao das versões Especial e De Luxo.

© Fornecido por Abril Comunicações S.A. O teto revestido de vinil de série com emblemas nas colunas traseiras

O Gran Luxo se destacava pelo teto de vinil preto, emblemas de arabesco nas colunas traseiras e friso preto entre as lanternas. Os largos pneus de faixa branca 7,35-14 recebiam rodas com 5 polegadas de largura e as calotas de fundo preto eram específicas para freios dianteiros a tambor (de série) ou a disco (opcional).
Carpete de buclê de náilon e estofamento de jérsei com detalhes de vinil davam a distinção no acabamento: a parte central dos bancos ostentava um arabesco em baixo-relevo. Volante, tampa do porta-luvas e laterais de porta receberam apliques imitando jacarandá. O nível de ruído era atenuado pelo emprego de feltro fonoabsorvente.

© Fornecido por Abril Comunicações S.A. Quatro marchas no assoalho

A principal inovação técnica era o motor 4100. Oferecido como opcional, o seis cilindros de 4,1 litros e 140 cv da versão esportiva, SS. Com 2,5 litros e 80 cv, o quatro cilindros 2500 oferecia rendimento satisfatório, mas desagradava pelo nível de aspereza e vibrações em marcha lenta.
A tração chegava à traseira por um câmbio de três marchas com alavanca na coluna de direção. Um dos opcionais era o câmbio de quatro marchas com alavanca no assoalho. A dirigibilidade era favorecida por engates secos e precisos e o banco inteiriço dava lugar a dois confortáveis assentos individuais.

© Fornecido por Abril Comunicações S.A. Conta-giros no quadro de instrumentos

Rádio, relógio, desembaçador e luzes de cortesia no interior, porta-luvas, motor e porta-malas eram itens de série. Entre os opcionais, conta-giros, calhas nos vidros e filtro de ar para serviços pesados. Notório pelo conforto de rodagem, o Gran Luxo podia receber barra estabilizadora traseira e diferencial autoblocante para tocada esportiva.
Esportividade não faltou ao modelo 1972. O primeiro Gran Luxo a ter a bela carroceria hardtop de duas portas ganhou filete duplo pintado na lateral e novo tecido nos bancos. Ficou só o motor 4100, identificado nos para-lamas dianteiros. Havia três cores para o vinil do teto: branco, preto ou bege.

© Fornecido por Abril Comunicações S.A. Seis cilindros no cofre do motor: luxo com velocidade

Avaliado por QUATRO RODAS em setembro de 1971, o cupê Gran Luxo de três marchas acelerou de 0 a 100 km/h em 14,2 segundos e chegou aos 171,43 km/h. Um desempenho similar ao da versão SS sem comprometer o conforto: a tendência ao subesterço era facilmente corrigida pela tração traseira e pelo torque generoso.
Este modelo 1973, do colecionador Reinaldo Silveira, foi o primeiro a receber piscas dianteiros nas extremidades dos para-lamas e luzes de ré ao lado das lanternas. Calotas, volante e instrumentos foram redesenhados e a lista de opcionais incluiu vidros verdes, ar-condicionado, câmbio automático Turbo-Hydramatic 180 de três marchas e faróis de neblina.


Rival de Dodge Gran Coupe e Ford Maverick Super Luxo, o Chevrolet Gran Luxo 1974 deixou de ser uma versão para se tornar modelo independente. Quase sem alterações, o carro mais exclusivo da GM passou o bastão ao Chevrolet Comodoro, apresentado em 1975 após uma reestilização mais extensa da família Opala.

Holler Box
Holler Box