Chico Galindo sai da disputa por “motivos pessoais”

70 0
Prefeito Chico Galindo

 

Prefeito diz que não desistiu, até porque nunca afirmou que era candidato
O prefeito Chico Galindo não será candidato à reeleição ao Palácio Alencastro nas eleições deste ano. A decisão foi anunciada pelo próprio chefe do Executivo Municipal, por volta de 19h30, após reunião com a cúpula da Executiva do PTB da Capital.

Pouco menos de trinta minutos de discussão foram o suficiente para o prefeito contrariar as expectativas do seu partido, que tinha esperanças de convencê-lo a aceitar o desafio de tentar a reeleição.

Galindo alegou “motivos de ordem pessoal”, mas não especificou quais. Ele pediu compreensão aos “companheiros de legenda”, lembrando que, em momento algum, desde quando começaram as articulações para definir a participação do PTB no processo, disse que seria candidato.

Com a decisão anunciada, a cúpula petebista, tendo à frente o próprio Galindo, vai iniciar um processo de discussão sobre a possibilidade de uma ampla aliança para disputar a Prefeitura da Capital.

O primeiro passo será discutir a formalização ou não da aliança com o PSDB, que tem como pré-candidato o deputado estadual Guilherme Maluf.

O parlamentar e o prefeito Galindo já iniciaram as costuras visando à composição político-partidária, mas Maluf não tem maioria entre os membros do PTB de Cuiabá.

Também será buscado um entendimento com outros partidos. Entre eles, o PSD, que tem no secretário municipal de Comunicação, Carlos Brito, o principal nome no contexto do secretariado do Palácio Alencastro.

Além dos 11 membros da Executiva, comadados pelo ex-secretário Dilemário Alencar, participaram da reunião os cinco vereadores do PTB: Néviton Fagundes, Totó Cesar, Júlio Pinheiro, Marcus Fabrício e Clovito Hugueney.

Pré-candidatos

Além de Guilherme Maluf, são pré-candidatos às eleições em Cuiabá os empresário Mauro Mendes (PSB) e Dorileo Leal (PMDB), o médico Kamil Fares (PDT) e os vereadores Lúdio Cabral (PT) e Francisco Vuolo (PR).

O PSD tem como opção o secretário Carlos Brito, que, no entanto, tem relutado em aceitar a pré-candidatura a prefeito da Capital. O partido deve se unir ao PTB e PSDB, na aliança governista.