Campeões nacionais em 2011, Vasco e Corinthians buscam primeira semifinal da década

64 0

 

Quem avançar, chegará às semifinais do torneio depois de mais de dez anos. Ambos só estiveram entre os quatro melhores da Libertadores uma vez cada
Das dez vezes que abriu um confronto de mata-mata visitando o adversário da Libertadores da América, o Corinthians só venceu uma, empatou três e perdeu as outras seis. Na única ocasião em que iniciou um duelo vencendo fora de casa, o rival era o modesto Espoli, do Equador, que só disputou uma edição do torneio, em 1996, e perdeu em casa para os corintianos por 3 a 1, no feriado de 1º de maio daquele ano, em Quito.

Já o Vasco, atual campeão da Copa do Brasil, nas seis vezes que começou um confronto eliminatório como mandante, venceu quatro, empatou três e perdeu apenas uma – foi eliminado para o Boca Juniors nas quartas de final de 2001 por 1 a 0.

Quem avançar no confronto de quartas de final que começa nesta quarta-feira, às 21h50, em São Januário, chegará às semifinais do torneio depois de mais de dez anos. Ambos só estiveram entre os quatro melhores da Libertadores uma vez cada: o Vasco em 1998, quando foi campeão, e o Corinthians em 2000, quando caiu para o Palmeiras.

Diante do retrospecto, os corintianos admitem que um empate com gols em São Januário seria um grande resultado para os paulistas, que decidem o duelo contra o Vasco, por uma vaga nas semifinais contra Santos ou Vélez, uma semana depois, no Pacaembu. Nas últimas três vezes que saiu para disputar uma vaga, não conseguiu marcar: Emelec, Tolima e Flamengo.

“Seria ótimo um empate com dois gols, daria uma boa situação no Pacaembu. É com este pensamento que a gente vai para lá”, disse o meia Danilo, três gols na Libertadores e titular absoluto do técnico Tite. “Não perder é um bom resultado. Penso que é o jogo mais importante. Se você deixa fugir o resultado, de repente não há tempo de recuperar”, completou Alex, que sai jogando depois de voltar bem contra o Emelec e aproveitar a chance que teve como titular.
Do outro lado, os vascaínos não escondem que a vitória é fundamental para a classificação, mesmo com o entendimento de que qualquer que seja o resultado deixará o confronto em aberto para a volta. “Sempre disse que é muito importante ganhar o primeiro jogo, mas acho que essa partida não vai decidir nada. Só depois do fim do jogo do Pacaembu é que vai sair o classificado”, avaliou Alecsandro. Já Cristóvão Borges, que perseguiu o Corinthians em busca do título brasileiro no ano passado, falou em dificuldade, mas também acredita que ganhar em casa é mais do que importante. “Independente de como o time deles jogue, vai ser a dureza de sempre. No Brasileiro foi difícil e não imaginamos nada diferente nesta quarta-feira. Mas vamos tentar superar o Corinthians e fazer a vantagem em casa”.

Histórico: Vasco – Na primeira vez que chegou a um mata-mata de Libertadores, o Vasco empatou com o Colo-Colo em casa na Libertadores de 1990. Passou no Chile, e novamente empatou no Rio contra o Atlético Nacional, sendo eliminado pelos colombianos na volta. Em 1998, ano do único título vascaíno, o clube venceu nas três vezes que abriu o duelo em São Januário, contra Cruzeiro (oitavas), River Plate (semifinal) e Barcelona de Guayaquil (final). Neste ano, o time venceu o Lanús por 2 a 1 em casa antes de buscar a vaga, nos pênaltis, em Buenos Aires. O retrospecto geral em partidas eliminatórias em casa é de seis vitórias, dois empates e duas derrotas.

Corinthians – Na primeira vez que chegou às oitavas de final, o Corinthians visitou o Boca Juniors em 1991, perdeu, e só empatou no Pacaembu, acabando eliminado. Em 1996, venceu pela única vez abrindo como visitante, diante do Empoli; nas quartas, levou 3 a 0 do Grêmio em casa e até ganhou em Porto Alegre, mas pelo placar mínimo. Em 1999, empatou fora com o Jorge Wilstermann e avançou, mas depois perdeu para o Palmeiras no Morumbi antes de vencer na volta e cair nas penalidades..No ano seguinte, visitou o Rosário Central, perdeu, mas passou nos pênaltis no segundo jogo; empatou fora contra o Atlético-MG e venceu em São Paulo, e parou novamente no Palmeiras, quando ganhou uma e perdeu uma diante do maior rival. Em 2003 e 2006, caiu para o River Plate em Buenos Aires e também em casa. Em 2010, também não conseguiu reverter a derrota para o Flamengo no jogo de ida no Rio de Janeiro, e no ano passado caiu ainda na pré-Libertadores para o Tolima, ao ser derrotado na Colômbia. Contra o Emelec, nesta edição, o empate fora foi suficiente, já que depois conseguiu vencer em casa. O retrospecto geral em partidas eliminatórias como visitante é de duas vitórias, três empates e oito derrotas.

O Vasco não poderá contar com Dedé, que está afastado há cerca de um mês por uma lesão na fíbula e ainda não se livrou das dores, podendo ser a novidade para o jogo de volta. Já Juninho Pernambucano, que foi poupado do treino de segunda-feira, participou normalmente do rachão da manhã de terça e deve ser titular contra o Corinthians. A dúvida é pela escalação de Felipe ou pela sequência de Nilton, que marcou na última partida.

Já Tite tem a volta de Jorge Henrique, que cumpriu suspensão, e deve formar a dupla de ataque com Emerson. Sem Liedson, que nem viajou para o Rio de Janeiro, o time deve também ter Willian como opção no banco de reservas, já que Alex e Danilo serão mantidos na equipe titular. Na lateral-direita, Edenílson se machucou contra o Emelec, e Alessandro recupera a posição. A surpresa fica por conta do reserva no gol: Julio César nem foi relacionado e Danilo Fernandes é o suplente de Cássio.

Nas duas últimas vezes que se encontraram, em intensa disputa pelas primeiras posições do Campeonato Brasileiro, melhor para o Corinthians: vitória no Pacaembu, de virada, por 2 a 1, e empate em São Januário, 2 a 2, que fez com que o Vasco não disparasse na primeira posição da tabela .