Brasil é celeiro de cenários para o Cinema

88 0

Muitos clássicos do cinema mundial consagraram eternamente suas locações. E o desejo dos cinéfilos por viver as emoções e se transportar para os cenários retratados na telona é tão grande que gerou um nicho de turistas que viajam em busca das paisagens de seus filmes favoritos.
A atração de visitantes às locações é uma das grandes tendências do turismo mundial e o Brasil acaba de criar o seu próprio roteiro para set-jetters, como é chamado este novo grupo de turistas. O primeiro destino fica no Tocantins. Criado pela operadora Rota da Iguana, o roteiro divulga cenários de grandes produções da televisão em solo verde-amarelo – a exemplo do reality show norte-americano Survivor Tocantins e dos capítulos finais da novela global Araguaia -, além de filmes como Deus é Brasileiro e o recente Xingu, ainda em cartaz nos cinemas de São Paulo.
Esse mercado tem recebido atenção especial do Ministério do Turismo e da Embratur. Em parceria com entidades representativas do segmento, eles desenvolveram estudos aprofundados que servem como fonte de informação e consulta para apoiar o ordenamento e a formulação de políticas públicas. Assim, foi possível adaptar essas experiências à realidade brasileira e incorporar o turismo cinematográfico às estratégias de segmentação dos destinos que compõem as mais diversas regiões do País.
A expectativa é de que cenários cinematográficos movimentem significativamente o turismo das localidades em que as produções audiovisuais são filmadas, envolvendo diversos segmentos econômicos, entre serviços de hospedagem, alimentação e a própria logística de que toda equipe de filmagem necessita.
Em Tocantins, cineastas e diretores foram seduzidos por paisagens estonteantes, formadas por rios de águas cristalinas, cachoeiras de cores vibrantes, dunas de areia dourada e as peculiares flora e fauna da Floresta Amazônica. Os bastidores das grandes produções para cinema e TV se concentraram nas regiões do Jalapão e do Médio Araguaia, onde é possível apreciar o contraste entre o desértico cerrado e o úmido clima amazônico, passando ainda pelo Pantanal.
Bastidores do Brasil Central
No filme Deus é Brasileiro (2003), o Todo-Poderoso, interpretado por Antônio Fagundes, se cansa dos problemas da humanidade e decide tirar férias. Na procura por um substituto, viaja pelas belas paisagens do Jalapão. O roteiro original de João Ubaldo se passava na Bahia, mas o diretor Cacá Diegues se encantou pelas terras de Tocantins.
Em Xingu  (2012), de Cao Hamburger, os irmãos Villas-Bôas desbravam os sertões do Brasil em defesa dos direitos dos povos indígenas.
As cenas foram rodadas no Brasil Central para dar ainda mais verossimilhança à história. O filme, ambientado entre os anos 1940 e 1960, exigiu a reconstrução da cidade de Xavantina, que na época era um acampamento militar, no município de Miracema do Tocantins.
Filmar entre as belezas dos rios Tocantins e Araguaia demandou esforço extra da produção, que gastou mais tempo com chegada e descarregamento de madeira do que com a montagem e desmontagem dos cenários. Em nome da sétima arte, a equipe também suportou o calor, a interferência das queimadas e driblou cobras e jacarés.