Bayern elimina o Real Madrid nos pênaltis

83 0
Cristiano Ronaldo erra o penalti

Português marca duas vezes no tempo normal, mas perde o seu na disputa final. Alemães decidem a Champions contra o Chelsea em casa

Poderia ser o jogo de Cristiano Ronaldo, que marcou duas vezes no tempo normal. Ou poderia ser o de Kaká, que saiu do banco de reservas no fim do segundo tempo para se aproveitar do cansaço dos rivais. Mas era a noite de Manuel Neuer. O goleiro titular da seleção alemã se consagrou ao defender as penalidades do português e do brasileiro e ainda contou com um chute para fora de Sergio Ramos para levar o Bayern de Munique à grande decisão da Liga dos Campeões, após vitória por 3 a 1 nos pênaltis e derrota por 2 a 1 até a prorrogação, nesta quarta-feira, no Santiago Bernabéu. Detalhe: a finalíssima será na Allianz Arena, casa do Bayern, contra o Chelsea, no próximo dia 19 de maio.
Por pouco Iker Casillas também não foi herói. O goleiro espanhol defendeu duas cobranças dos bávaros – de Kroos e Lahm -, mas Alaba, Mario Gómez e Schweinsteiger deram números finais a uma emocionante e exausta semifinal. O holandês Arjen Robben, que não participou da disputa final, marcou no primeiro tempo, justamente de pênalti.
Com o sonho do 10º título continental adiado novamente, resta aos merengues concentrarem os seus esforços no Campeonato Espanhol, competição em que o time é líder com sete pontos de vantagem para o arquirrival Barcelona, que também se despediu da Champions nesta semana. Restam quatro rodadas.

Neuer defende cobrança e Cristiano Ronaldo e começa a se consagrar no Santiago Bernabéu (Foto: AFP)
Os alemães, por sua vez, também apagaram a má impressão deixada no estádio após a decisão da Liga dos Campeões de 2010. Na ocasião, foram derrotados para o Internazionale de Milão, comandado por José Mourinho, por 2 a 0. A equipe comandada por Jupp Heynckes busca o seu quinto título em final inédita contra os Blues, que ainda não conquistaram a Champions – bateram na trave em 2008, diante do Manchester United, nos pênaltis.
Início avassalador
Em um cenário próximo do ideal para o Real Madrid, o time conseguiria reverter a vantagem do Bayern de Munique com 15 minutos de jogo. Foi exatamente o que aconteceu em um Santiago Bernabéu pulsante. A torcida comprou o barulho e fez do seu estádio uma arma que funcionou – ao menos no início.
Prova disso foi o pênalti marcado logo aos cinco minutos. Di María recebeu lançamento de Marcelo e acertou chute de primeira. Alaba se jogou para interceptar a finalização e tocou com o braço na bola. O juiz hesitou por um instante, mas a pressão foi tamanha que o árbitro húngaro Viktor Kassai apontou para a cal mesmo sem muita convicção. Cristiano Ronaldo não repetiu Lionel Messi na véspera e converteu, desviando de Neuer: 1 a 0.
O Bayern concentrava suas forças no ataque. A resposta quase foi instantânea, mas o holandês Arjen Robben perdeu gol inacreditável após cruzamento de Alaba, aos sete, já na pequena área. Aos 11, foi a vez de Mario Gómez chutar da entrada da área e obrigar Casillas a espalmar. Ribéry tentou completar no rebote, mas Khedira salvou com um carrinho.
Mourinho sabia do perigo que corria e chamou Cristiano Ronaldo para uma rápida conversa. A expressão do treinador foi clara: segurar a bola, ter calma, como o craque português havia pedido depois de fazer o gol da vitória diante do Barcelona, no sábado, ainda que ironicamente. E não é que deu certo? Aos 14, Özil encontrou Cristiano com passe espetacular. O luso não perdoou e fez o segundo dele e dos merengues.
No lá e cá, melhor para o Bayern
A vantagem àquela altura já era mais do que o suficiente para os donos da casa avançarem à final. Os bávaros, então, avançaram mais a marcação e continuaram chegando com perigo. Em um contra-ataque, aos 25, Benzema quase ampliou – a bola ficou viva na grande área até que Neuer pudesse afastar.
Seria uma injustiça, principalmente pelo que apresentavam os alemães. Não à toa chegariam ao gol no minuto seguinte. Lahm cruzou para Mario Gómez, que caiu na grande área depois de ser tocado por Pepe. O árbitro marcou pênalti do zagueiro. Robben se encarregou da cobrança e diminuiu, ainda que Casillas e a trave quase tenham evitado.
O “lá e cá” seguiu até o fim da primeira etapa. Aos 30, Benzema fez boa jogada pela esquerda e chutou forte. Neuer afastou com os olhos. Depois, aos 33 e 46, foi Casillas quem apareceu em finalizações de Gómez e Robben, de falta. Era um jogaço, para o deleite de Vicente del Bosque e Joachim Löw, técnicos das seleções da Espanha e Alemanha, presentes nas tribunas do Bernabéu.
Cautela x emoção
A partida seguiu carregada de tensão no segundo tempo, o que refletia no comportamento dos torcedores, menos participativos. Mas em campo era mais do mesmo: lá e cá. Aos dois, Lahm cruzou da direita e Gómez cabeceou forte. A bola passou raspando a trave direita de Casillas. Aos dez, no entanto, foi Benzema quem encontrou espaço e concluiu para a defesa de Neuer.
O tempo foi passando e o jogo virou sinônimo de cautela. O Real sabia que sofrer um gol poderia ser fatal, assim como para o Bayern exagerar nos espaços não pareceria boa ideia. Sem se comprometer, os merengues atacavam com chutes de média distância, principalmente nas faltas de Cristiano Ronaldo.
Mourinho pôs Kaká restando pouco mais de 15 minutos para o fim do jogo. Fez também o papel de incentivador ao puxar aplausos das arquibancadas. O Real tentou responder em campo, mas não conseguiu – muito por conta do cansaço de Cristiano Ronaldo, que se desdobrava entre ataque e marcação. Kaká entrou mal, sem confiança, desperdiçando contra-ataques. E ainda viu Pepe e companhia se segurarem lá atrás quando Mario Gómez recebeu de Robben e foi travado, aos 41. Era noite de prorrogação.

O brasileiro Luiz Gustavo vigiou de perto o craque português em boa parte do jogo (Foto: Ag. EFE)
Cansaço domina tempo extra
A prorrogação pôs em campo mais um elemento: a condição física. Cansado, Ribéry deu lugar a um renovado Müller. O Bayern pôde se dar ao luxo de realizar sua primeira substituição no tempo extra depois de ter poupado oito titulares no fim de semana. O Real, enquanto isso, lutava contra todo tipo de fadiga. E o primeiro tempo não teve um grande lance sequer de emoção.
O cansaço merengue era maior, mas a postura foi ainda mais ofensiva nos minutos finais de jogo. O problema é que não havia ninguém inspirado que pudesse resolver – Kaká, inclusive, tirava a paciência dos torcedores ao cometer seguidos erros. Aos 10 (ou 115), o brasileiro acertou o cruzamento, mas Granero se enrolou e desperdiçou grande oportunidade ao se jogar tentando cavar um pênalti. O árbitro não caiu na do meia. A decisão sairia da marca da cal, mas não naquele momento.

Após pouco menos de cinco minutos de descanso, os dois times foram para os pênaltis. Alaba converteu a primeira cobrança. Cristiano Ronaldo, que vinha de 25 pênaltis seguidos sem perder, pegou a bola e… Bateu fraco, permitindo a defesa de Neuer. Na sequência, Mario Gómez fez 2 a 0 para o Bayern.
Kaká, que entrou no segundo tempo, tinha a chance de diminuir, mas acabou telegrafando o canto (o mesmo de CR7) e Neuer, mais uma vez, defendeu. Quando tinha a chance de praticamente liquidar a fatura, Kroos chutou rasteiro, sem força, e Casillas fez a defesa.
Xabi Alonso, na terceira cobrança do Real, finalmente marcou. Logo depois, Lahm bateu com uma “pequena” cavadinha, e Casillas salvou sem problemas: 2 a 1 para o Bayern. O zagueiro Sergio Ramos partiu para a quarta cobrança do Real e mandou longe, muito longe. Schweinsteiger, então, tinha a chance de garantir o Bayern na decisão em casa. E não a desperdiçou. Com força, deslocando Casillas, colocou no fundo da rede, calou o Bernabéu e fez a festa dos bávaros.