1º Jornada Maternidade acontece em Cuiabá e discute o empreendedorismo materno

248 0

O workshop, com duração de uma tarde vai abordar a questão do empreendedorismo materno como alternativa profissional para mulheres que acabaram de experienciar a maternidade.

Imagine o seguinte cenário: uma empresária, de 30 e poucos anos, descobre que está grávida. Até certo ponto da gestação, ela poderá prosseguir normalmente com o seu trabalho. Porém, chegará o momento em que terá que adaptar a sua rotina em função da gravidez. Depois que o filho nascer, essa realidade pode agravar-se ainda mais: em muitos casos, a mãe vai preferir dedicar um tempo maior no cuidado e na atenção com os filhos, o que interfira diretamente nas escolhas profissionais dela. O que fazer em relação ao antigo emprego formal, nesse caso?
Muitas mulheres encontraram essa resposta no empreendedorismo. Essa palavra tem se tornado, ao longo dos últimos 5 anos, um dos maiores trends no mercado de trabalho. Todo mundo quer se tornar um empreendedor e dar o pontapé inicial no tão sonhado projeto do negócio próprio. No entanto, algumas categorias enxergam na área algo muito além de um simples desejo, mas uma alternativa de urgência. Uma dessas categorias, como já adiantado é a das mães brasileiras.
Para a mãe que era empresária antes da gravidez, a carreira empreendedora é uma espécie de luz no fim do túnel. Dados apontam que essa solução milagrosa está cada vez mais popular e ganhando mais e mais adeptas no país. Segundo a Rede Mulher, uma instituição interessada em averiguar a presença feminina na economia, a cada 100 empresas abertas no Brasil, 52 delas provém da liderança de uma mulher.
A expressividade do empreendedorismo feminino, especialmente na última década, é inegável, ainda mais quando analisados dados como o de acima. Contudo, a relação entre essas mulheres e a maternidade não fica clara apenas a partir dessa porcentagem. Foi por isso que o estudo foi mais além e descobriu quais dessas mulheres já eram mães. Os resultados apontaram que mais de 50% delas tem um ou mais filhos.
Outro dado que corrobora com essa análise é de iniciativa da Fundação Getúlio Vargas, tendo aferido que 50% das mulheres trabalhadoras são demitidas durante os dois anos primeiros anos após o fim da licença maternidade. Ambos os dados refletem uma sentença quase que inquestionável nesse ponto: o empreendedorismo tem se destacado como a opção profissional mais bem aceita e seguida entre mulheres após a experiência da maternidade.
É acompanhando essa tendência nacional que a comunicóloga cuiabana Beatriz Blaqui desenvolveu a 1º Jornada Maternidade: Transição de Carreira e Empreendedorismo. O workshop, com duração de uma tarde de sábado, reunirá mães empreendedoras da capital que compartilharão experiências relacionadas ao ofício.
Beatriz, a idealizadora do evento, comanda um projeto online, nas redes sociais, o Maezíssima, aonde narra suas experiências sobre ser mãe e estar em busca de uma carreira profissional de sucesso que não interfira no cuidado com os filhos pequenos. Ela acredita que as conversas objetivadas pelo evento servirão como um catalisador na comunidade empreendedora materna de Cuiabá e darão visibilidade ao tema para outras mães com vivências semelhantes.
Alguns dos nomes que marcarão presença como palestrantes são: Giovana Caseli, Dra. Juliana Lobato, Jaqueline Fiuza, Maysa Leão e Ester Shefer. O curso acontece no dia 29 de junho, no Sebrae Lab. Mais informações e a lista completa de palestrantes podem ser encontradas nas redes sociais de Beatriz Blaqui (@maezissimaoficial no Instagram) e no link: <https://www.sympla.com.br/i-jornada–maternidade-transicao-de-carreira–empreendedorismo__537289>.

Holler Box
Holler Box